Herpes Zóster tem vacina

Muitas pessoas já tiveram contato com o vírus da catapora, mas não sabem que o vírus permanece no seu organismo durante toda vida. Conheça o Herpes Zóster, doença dolorosa causada pelo mesmo vírus da catapora e que pode ser prevenida por vacina.

O que é?
Conhecido popularmente como “cobreiro”, o herpes zóster é uma erupção cutânea dolorosa que se manifesta na forma de pequenas bolhas. As lesões aparecem principalmente no tronco (tórax e abdômen), face e pescoço. Mas podem atingir órgãos importantes como os olhos.

A dor é uma das principais características do herpes zóster e pode surgir antes das erupções na pele. A dor pode atrapalhar o sono, o humor, as atividades cotidianas, afetando a qualidade de vida. A dor é causada pela inflamação do nervo sensitivo que inerva as regiões da pele, nas quais poderão aparecer as erupções cutâneas. Além da dor, algumas pessoas podem apresentar febre, dor de cabeça e fadiga.

Em geral, os sintomas costumam evoluir para a cura em poucas semanas. As erupções cutâneas costumam secar em 7 a 10 dias e cicatrizam após 2 a 4 semanas, podendo resultar em alteração permanente da coloração da pele.

Porém, a complicação mais comum da doença é a neuralgia pós-herpética, dor intensa que pode persistir por meses e até anos, mesmo após a cura das lesões de pele.

Quem pode contrair?
Qualquer pessoa que teve catapora pode ter herpes zóster. Isso porque o vírus permanece "adormecido" no sistema nervoso. A doença surge quando o vírus é reativado. Isso ocorre devido ao declínio da imunidade, o que é comum com o avanço da idade, principalmente a partir de 60 anos.

O Centro de Controle e Prevenção de Doença dos Estados Unidos (CDC) estima que uma em cada três pessoas desenvolverá herpes zóster em algum momento da vida. Em maiores de 85 anos o risco estimado é de 50%. Quanto mais avançada a idade, maior é o risco de complicações como a dor crônica.

Quem deve se vacinar?
A vacina está licenciada para pessoas com 50 anos ou mais. É recomendada como rotina para maiores 60 anos de idade.

Quem já teve herpes zóster deve ser vacinado?
Sim. A vacina é indicada mesmo para quem que já teve a doença. Nesse caso, deve-se aguardar um ano entre o quadro agudo e a aplicação da vacina. Embora não seja comum, é possível ter herpes zóster mais de uma vez.

Quem não pode tomar a vacina?
É contra-indicada para pessoas imunodeprimidas, pessoas com tuberculose ativa não tratada, gestantes e pessoas que já tiveram herpes zóster oftálmico (ainda não existem dados suficientes para indicar ou contraindicar a vacina).

Posso contrair herpes zóster de uma pessoa infectada?
Não. O herpes zóster não pode ser transmitido de uma pessoa para outra. Uma pessoa com o zóster pode transmitir o vírus varicela-zóster para pessoas que não tiveram catapora ou que não foram vacinadas contra a catapora. Neste caso, se essas pessoas forem infectadas pelo vírus, elas desenvolverão catapora. Após essa infecção inicial, o vírus permanecerá adormecido no organismo. O herpes zóster é resultado da reativação do vírus, que pode ocorrer meses ou anos após a infecção inicial.

Como o vírus é transmitido pelo contato direto com o líquido liberado pelas lesões ativas do zóster, é recomendado evitar o contato direto com as pessoas suscetíveis até as lesões secarem. O zóster é menos contagioso que a catapora e a chance de transmissão do vírus é menor se a lesão do zóster estiver coberta.

21 97047-7121