Acesso aos Resultados do Teste do Pezinho

O que é?
O Teste do Pezinho é um exame laboratorial simples com objetivo de detectar precocemente doenças metabólicas, genéticas e/ou infecciosas que poderão causar lesões irreversíveis no bebê, como retardo mental.

A maioria das doenças pesquisadas pode ser tratada com sucesso desde que diagnosticadas antes mesmo de manifestar os primeiros sintomas.

A Kinder é uma clínica credenciada do CTN Diagnósticos, laboratório considerado referência nacional em triagem neonatal.

Como é realizado?
O exame é feito através da análise de amostras de sangue coletadas através do calcanhar do bebê, por isso o nome "teste do pezinho". É um procedimento simples que não traz riscos para a criança.

Quando fazer?
O período ideal é entre o 3° e o 7° dia de vida, tempo em que o recém-nascido já foi alimentado de modo suficiente para evitar resultados falso-negativos nas doenças dependentes de amamentação para sua identificação. Sugerimos, no entanto, que o Teste do Pezinho seja realizado o mais brevemente possível a partir do 3º dia de vida e de preferência antes de completar um mês, uma vez que o sucesso do tratamento é dependente da precocidade do diagnóstico. A Sociedade Brasileira de Triagem Neonatal (SBTEIM) recomenda o mesmo período.

Quais os tipos de testes?
Existem quatro tipos de teste: Básico, Ampliado, Plus e Master.
Cada um testa uma quantidade de condições e doenças diferentes. Veja no quadro abaixo.
A escolha do exame é feita pelo pediatra do bebê. Ele pode ainda solicitar exames complementares isoladamente ou em conjunto com qualquer perfil do Teste do Pezinho.

Onde realizar?
O Teste do Pezinho é realizado nas nossas filiais e em domicílio.
Aceitamos diversos convênios: Amil, Bradesco, Sul América, Unimed Rio, BNDES/Fapes, Cassi, Golden Cross, Mediservice, Mútua, Omint, Vale/Pasa, Lincx, Medial, etc.
Consulte a cobertura com a Central de Atendimento.

Qual o prazo do resultado?
O resultado é divulgado online no prazo médio de 10 a 15 dias úteis.
O pediatra recebe por email.


Veja algumas das doenças que o Teste do Pezinho pode detectar precocemente:

Conheça o exame adicional no Teste do Pezinho para detecção da Imunodeficiência Combinada Grave (SCID)
Realizamos o exame para detecção da Imunodeficiência Combinada Grave (SCID) no Teste do Pezinho. O exame pode ser solicitado isoladamente ou em conjunto com qualquer um dos testes do pezinho. A imunodeficiência combinada grave é uma condição genética que deixa o bebê vulnerável a infecções que ameaçam a vida. Bebês com SCID não conseguem desenvolver seus sistema de defesa e podem enfrentar um número excessivo de infecções e complicações delas decorrentes, como pneumonia, meningite ou infecções da corrente sanguínea dentro dos primeiros meses de vida. O diagnóstico adequado e precoce é essencial para instituir ações preventivas até a realização do tratamento.

parallax background

Exame SCID

A Imunodeficiência Combinada Grave (SCID - pronúncia: SKID) é considerada o mais grave grupo de desordens de imunodeficiências primárias (IDP), e é reconhecida como uma emergência pediátrica e potencialmente fatal. A SCID pode ser causada pela ausência ou mal funcionamento dos linfócitos T, pela ausência ou mal funcionamento do timo, ou por defeito nas células estaminais de medula óssea a partir das quais se desenvolvem os linfócitos B e T maduros.

A ausência combinada de linfócitos T e da função dos linfócitos B, na SCID, deixa o lactente completamente vulnerável a infecções que ameaçam a vida. Lactentes com SCID não conseguem desenvolver seu sistema de defesa e podem enfrentar um número excessivo de infecções e complicações delas decorrentes, como pneumonia, meningite ou infecções da corrente sanguínea dentro dos primeiros meses de vida. Mesmo as infecções e viroses normais na infância podem ser fatais para um bebê com SCID.

Exatamente porque um bebê com SCID é tão vulnerável a infecções, o diagnóstico precoce é fundamental. Se um bebê com SCID recebe um transplante de medula óssea até os primeiros 3 meses e meio de vida, a taxa de sobrevivência pode ser tão alta quanto 94%. No entanto, estudos relatam que a taxa de sobrevivência diminui para menos de 70% para os lactentes que são transplantados após essa idade, devido a infecções graves desenvolvidas pelos bebês com SCID antes do transplante.

O novo teste de triagem neonatal oferece a crescente esperança de que todos os bebês afetados pela SCID possam ser diagnosticados nas primeiras semanas de vida. Um resultado positivo para SCID não significa que o bebê tem a doença. Significa que mais testes devem ser feitos para confirmar ou descartar a SCID. Todo teste de triagem alterado na Kinder/CTN tem a confirmação da SCID feita por um exame de citometria de fluxo, que fará a quantificação dos linfócitos T CD4 e CD8 em sangue total.

Converse com seu pediatra sobre este exame.

21 97047-7121