Vacina depois dos 60 anos

Embora as pessoas pensem que somente as crianças precisam manter o calendário de vacinação em dia, isso não é verdade. Além de melhorar a qualidade de vida de maneira significativa, a vacinação contribui para a prevenção de doenças infecciosas e de possíveis descompensações de doenças crônicas (como diabetes, hipertensão, entre tantas outras). Os riscos de internações e óbito, por doenças como pneumonias, por exemplo, também diminuem. A terceira idade é mais propensa a adoecer gravemente e, por isso, os cuidados com a saúde devem ser redobrados nessa fase da vida.

No entanto, muitas pessoas desconhecem quais vacinas são indicadas para sua faixa etária. A adesão à imunização costuma ser mais expressiva quando há campanha governamental, como no caso da vacina contra a gripe. Porém, o número de pessoas com mais de 60 anos que se vacinam contra as doenças pneumocócicas, o tétano e a coqueluche, por exemplo, ainda é muito baixo.

Conheça as principais vacinas indicadas acima de 60 anos:

Vacina Tríplice Bacteriana – dTpa
A vacina protege contra tétano, difteria e coqueluche.
Muitas pessoas enganam-se que apenas materiais enferrujados provocam tétano. O tétano é uma doença infecciosa grave. A bactéria causadora da doença é encontrada nas fezes de animais e humanos, na terra, nas plantas, em objetos e pode contaminar as pessoas que tenham lesões na pele (feridas, arranhões, cortes, etc) pelas quais o microorganismo possa penetrar.
Já, a coqueluche, conhecida por tosse comprida, é uma doença infectocontagiosa aguda do trato respiratório. O contágio se dá pelo contato direto com a pessoa infectada ou ao tossir, espirrar ou falar. A coqueluche é uma doença grave, principalmente em bebês. Gestantes e pessoas que tenham contato com bebês precisam realizar a vacinação.
A difteria é transmitida facilmente entre pessoas pelo contato direto e pelo ar (por meio da tosse e espirro). Também pode ser transmitida por meio de roupas e objetos de uso pessoal contaminados.

Gripe:
Recomenda-se a vacinação anual, já que a composição da vacina muda de um ano para o outro e a imunidade diminui ao longo do tempo. A terceira idade pertence ao grupo com risco aumentado para as complicações decorrentes da gripe.

Pneumocócicas:
As doenças pneumocócicas são complexas e causadas pela bactéria pneumococo. Na terceira idade, os riscos de pneumonia pneumocócica são mais elevados, porque o sistema imunológico já está naturalmente mais fraco. A doença pode ser prevenida pelas vacinas Prevenar 13 valente e Pneumo 23. Recomenda-se iniciar com uma dose de Prevenar seguida de uma dose de Pneumo 23 seis a doze meses depois, e uma segunda dose de Pneumo 23 cinco anos após a primeira.

Herpes Zóster:
Qualquer pessoa que teve catapora ou contato com seu causador pode um dia ter herpes-zóster. Isso porque após desenvolver catapora, o vírus permanece adormecido no sistema nervoso do indivíduo. Com a queda da imunidade na terceira idade, pode ocorrer a reativação do vírus e o desenvolvimento de Herpes Zóster. A doença provoca dor intensa na extensão do nervo da medula espinhal e pode ser prevenida com a vacina Zostavax, indicada a partir de 50 anos, em dose única.

Hepatite B:
Doença silenciosa e bastante comum entre os brasileiros, a hepatite B é transmitida pelo sangue, secreções e objetos cortantes contaminados. Considerada uma doença sexualmente transmissível, a doença atinge o fígado. A vacina contra Hepatite B é realizada em 3 doses.

21 97047-7121