Febre Amarela

O que previne:
Febre Amarela

Para quem:
Pessoas a partir de 9 meses de idade.

Contraindicações:
• Crianças abaixo de 6 meses de idade.
• Gestantes - em princípio, há contraindicação, mas a administração deve ser analisada conforme o grau de risco, por exemplo, quando há surtos da doença.
• Mulheres amamentando bebês com até 6 meses. Se a vacinação não puder ser evitada, suspender o aleitamento materno por 10 dias. Antes de tomar a vacina, converse com o pediatra.
• Pessoas com câncer.
• Pessoas infectadas pelo HIV, sintomáticos e com imunossupressão grave comprovada por exame de laboratório.
• Pessoas com imunodepressão grave por doença ou uso de medicação.
• Pacientes que tenham apresentado doença neurológica desmielinizante no período de seis semanas após a aplicação de dose anterior da vacina.
• Pessoas submetidas a transplante de órgãos.
• Pessoas com história de reação anafilática relacionada a substâncias presentes na vacina.
• Pacientes com história pregressa de doenças do timo (miastenia gravis, timoma, casos de ausência de timo ou remoção cirúrgica).

Esquema de doses:
Crianças até 4 anos: uma dose aos 9 meses e outra aos 4 anos (rotina)
Acima de 4 anos: Não há consenso sobre a duração da proteção conferida pela vacina. De acordo com o risco epidemiológico, uma segunda dose pode ser considerada pela possibilidade de falha vacinal.

Cuidados antes, durante e após a vacinação:
Em crianças menores de 2 anos não aplicar simultaneamente com a vacina tríplice viral e aguardar intervalo mínimo de 30 dias entre as duas vacinas.

Eventos adversos:
Febre, dor de cabeça e muscular são os eventos mais freqüentes e acontecem em cerca de 4% dos que são vacinados na primeira vez e menos de 2% nas segundas doses.

Reações locais como dor na área de aplicação ocorrem em 4% dos adultos vacinados e um pouco menos em crianças pequenas. A dor dura um ou dois dias, na forma leve ou moderada.

Apesar de muito raros, podem acontecer eventos graves: reações alérgicas, doença neurológica (encefalite, meningite, doenças autoimunes com envolvimento do sistema nervoso central e periférico) e doença em órgãos (infecção pelo vírus vacinal causando danos semelhantes aos da doença). No Brasil, entre 2007 e 2012, a ocorrência destes eventos graves foi de 0,42 caso por cem mil vacinados.

Qualquer sintoma grave e/ou inesperado após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou.

CIVP – Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia
• Como o Brasil é considerado endêmico para a febre amarela, alguns países só permitem a entrada de viajantes brasileiros que apresentem o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia com registro da vacina aplicada no mínimo 10 dias antes da viagem.
• A dose fracionada não é válida para esse fim.
• O certificado é emitido gratuitamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e não tem prazo de validade.
• Para mais informações sobre a emissão do CIVP, acesse o portal da Anvisa ou ligue 0800-642 9782 https://www.gov.br/pt-br/servicos/obter-o-certificado-internacional-de-vacinacao-e-profilaxia

21 97047-7121